be a hero!

Hoje pensei nos super-heróis. Já reparou que a maioria deles só descobre sua força, seu poder, quando mais precisa? Quando está machucado, quando está abatido, quando perde o que ama? Pois é. Já pensou que aquele(a) herói (heroína) que você tem até blusa com o símbolo e do (a) qual é fã conseguiu dar a volta por cima no momento mais bosta da vida?


A Capitã Marvel cai e se levanta desde criança e sempre volta mais forte;
O Homem-Aranha perdeu seu tio e descobriu que com grandes poderes, vem grandes responsabilidades;
Durante um acidente, o Hulk virou o Vingador mais forte;
O Capitão América perdeu a família e sempre foi desacreditado, mas ele mesmo nunca deixou de acreditar;
O Homem de Ferro fez sua armadura quando estava num cativeiro.

Já pensou no quanto a gente é super-herói no dia a dia? A gente não cria armaduras externas contra vilões, mas internas. A gente sente, a gente sofre, mas a gente volta mais forte.

Pensei nisso hoje. Pensei na minha vida nesses últimos anos e na dos meus amigos. O quanto a gente apanha pra crescer e evoluir. Não que precise disso na vida, mas no quanto que cada vez mais a gente fica mais forte, mais confiante, mais unido, mais determinado...mesmo que o mundo tenha desabado lá atrás. Não é fácil, mas é tão humano isso: sobreviver à tempestade, à nossa própria invasão alienígena. A gente segue adiante, resiliente, com um novo poder descoberto a cada obstáculo e, às vezes, novas ideias pra que aquilo não ocorra novamente.

Todos na vida tem esses momentos, sem exceção. Não se engane com as fotos fantasiosas de vidas perfeitas nas redes sociais. Cada um tem sua batalha diária, suas dores, suas quedas, seu elemento x pra descobrir seu poder. A vida tem disso, de nos dar elementos x (algumas vezes em doses cavalares, é verdade) sem suas diferentes formas pra que descubramos o nosso potencial. 

E não, a gente não tem que esconder as emoções, o que sente, o que quer durante esse processo. A gente não tem que ter medo de usar nossos poderes. Assim como a Capitã Marvel, a gente tem que saber canalizar as emoções, usar como bússola e transformar cada queda num aprendizado adquirido ao se levantar. Ser forte, ser poderoso (no sentido de poder ser), ser emotivo, ser humano.

Sejamos mais herois de nós mesmos.