a cômoda

Desde que voltei pra BH, estou "morando" num puxadinho do lado de fora da casa da minha mãe. Por motivos maiores, e para minha sanidade física e mental, precisei e preferi morar aqui do que no meu antigo quarto dentro da casa. Com o passar do tempo, fui colocando aqui dentro tudo que era preciso pra evitar entrar na casa e utilizar o mínimo de coisas da minha mãe. Hoje, lá dentro da casa, eu uso o gás quando preciso fazer uma comida (embora já estou providenciando colocar meu antigo fogãozinho de duas bocas aqui - motivo da venda da cômoda gigante, preciso de espaço) e a água para lavar roupa. 

A cômoda em questão era essa:


Tour pela cômoda/mesa do computador do puxadinho.

Na cômoda temos:
Um escorredor de pratos. Coloco ali os pratos, talheres e canecas. Costumo pedir muita comida pelo ifood e todas as refeições que faço são aqui no puxadinho. Pode-se perceber também um pacotinho de café, que leva a outro item.

Cafeteira. Mozão me deu essa cafeteira de presente, pois sou louca com café. Também, pra evitar ir lá na casa pra fazer meu cafezinho e poder ficar aqui tranquila.

Copos: sem ter onde colocar, fiz esses copos de show de cofre. Esse cofre é uma mão na roda quando tô quebradinha e preciso comprar alguma coisa.

Caixinhas e potinhos: tudo que está aí, costumava ficar na primeira gaveta. Na caixa preta tem carregadores e fones de ouvido, a bolsinha branca eu uso pra sair com dinheiro ou cartão, a caixinha preta com tampa rosa eu coloquei os brincos e gargantilhas que eu uso e no pote rosa e branco são remedinhos pra quando eu ficar dodói. Fiz uma limpa legal nessa gaveta e desapeguei de tudo que eu não precisava. Fiquei bem orgulhosa de conseguir colocar tudo nessas caixinhas e potinhos.

Calçados: Uma grande parte dos meus calçados tá aí embaixo. Outro orgulho hoje é ter apenas os calçados que eu uso de fato. Como aqui tem pouco espaço, consegui tirar uma gaveta da cômoda (aquela que tinha as coisas das caixinhas e potinhos acima) pra colocar eles.

Porta-retratos e cheirinho: curiosamente, ambos foram presentes da mesma amiga, a Camila. A cômoda precisava de um enfeite também, né?

Na mesa de computador temos:
Potes: um pote para canetas, outro para pen-drivers e outro para coisinhas diversas (colas, borrachas, tesouras).

Contas a pagar: porque sou adulta, logo.

Cadernos: eu trabalho no computador, mas anoto muita coisa. Os cadernos ficam do meu ladinho justamente pra isso.

CDs: quando bate aquela vibe nostálgica, recorro a eles. Geralmente quando preciso recordar de tempos bons, relembrar minha essência, escuto um deles.

Caixa de som: tá ligada ao som que está ao lado. Não consigo me desapegar dele, pois foi um presente de aniversário bem especial, da minha mãedrinha, e deixo aqui do meu ladinho comigo. 

Potinho rosa: comidinha do Bonifofo, o gato que minha mãe quis adotar, mas que fica o tempo todo comigo.

Pesinhos e halteres de academia: pra malhar em casa. Eu era uma pessoa extremamente sedentária. Ano passado fiz uma promessa pra mim mesma de, até por questão de saúde, melhorar isso e consegui! Orgulho total de mim, indo na academia quase todos os dias, bem ativa. Só que o plano acabou e não pude mais frequentar. Precisava de algo pra continuar nessa vibe e esses pesinhos e halteres estão ajudando muito.

Fim da tour.

Curiosamente, e que, sinceramente, eu já esperava, surgiram comentários de conhecidos sobre minha maneira peculiar de arrumar a cômoda ou como consigo encontrar as coisas aqui. E parei pra pensar sobre isso e porque eu não consigo ver dessa maneira.

Esta foto me dá orgulho. Porque muita coisa que tá aí, da forma que está, tem um porquê. Algumas eu nem queria que estivesse, mas precisei colocar, hoje me traz  paz. Outras simbolizam barreiras vencidas (incluindo a organização peculiar, pois, acreditem, eu evoluí bastante no quesito organização) ou uma forma de contornar algumas adversidades desde minha volta pra BH. De maneira geral, consigo ver um resumo de quem eu sou hoje e por que sou assim. 

Muita coisa que tá aí mostra um pedacinho da minha vida. Uma vida às vezes amontoada e atípica, de escolhas necessárias e resultados impostos, mas que transborda bagagem, histórias e evoluções pessoais através de ciclos vencidos, ciclos novos e ciclos recomeçados - e muitas vezes incompreendidos. Uma vida de constante crescimento e aprendizado. Uma vida tão minha que só eu entendo o quanto essa foto me deixa satisfeita e feliz com quem eu sou hoje.

Já parou pra pensar no quanto sua cômoda mostra de você e por que a cômoda do outro é como é?