temporada 2018: não-metas

Eu tenho um sério problema com metas. 

Em 2017 eu escrevi um papelzinho com o que eu queria do meu ano. Esse ano eu li o papelzinho e vi que 70% não atingi. Eu estava sentada no sofá do sítio que comemorei a vinda de 2018 com os amigos, momentos antes da virada, fazendo novamente o tal do papelzinho. O curioso foi perceber que eu estava reescrevendo minhas metas pro próximo ano baseando nas do ano anterior e só fui notar quando um amigo brincou que eu estava "passando a limpo".
É muito mais fácil fazer um rascunho e passar a limpo depois. É mais fácil escrever rápido, com letra feia, sem capricho e depois arrumar tudo bonitinho numa folha novinha, né? Só que não dá pra fazer isso com a vida, por mais clichê que isso seja. Apesar de 2017 ter sido um ano de imensas mudanças e realizações, percebi que algumas metas foram rascunhos e que eu "sempre" teria um ano novo pra tentar novamente, pra passar a limpo.

A questão não eram as metas em si (difíceis, impossíveis, complicadas de se concretizarem). A questão era a forma como eu estava tratando-as. Então, resolvi fazer diferente esse ano. Resolvi fazer não-metas. Repassei de forma rápida as desculpas que dei pra não cumprir minhas metas do ano anterior e resolvi colocar essas desculpas como não-metas, ou seja, coisas que eu não devo fazer pra conseguir alcançar meus objetivos de 2018. 

- Disfarçar o desperdício com a necessidade.
Ano passado quis muitas coisas que exigiam dinheiro e tempo. Vi que sou capaz de poupar dinheiro para conseguir algumas, mas minha impulsividade e ansiedade não permitiram atingir metas que estabeleci pro ano. Vi também que outras coisas exigiam um tempo maior pra conseguir. E não dei conta de reunir e planejar melhor os dois. O tal do "preciso disso", "ah, mas tá tão barato", "promoção", "vou me dar de presente porque eu mereço", "depois eu reponho o que gastei", "não tive tempo suficiente pra me organizaar", acabaram vindo disfarçados de necessidade e gastei o que eu não precisava.

- Ser pessimista e conformista.
"ah, ano que vem eu faço", "ah, deixa pra amanhã", "ah, é difícil mesmo, vou deixar pra lá". Muitos dos projetos que tracei pro ano passado eu pensei assim, principalmente os que exigiam mais tempo, dinheiro ou paciência. Que esse ano eu invente desculpas pras desculpas e seja mais otimista e persistente no que eu quero.

- Colocar todos os objetivos no mesmo grau de complexidade.
Estabelecer/compreender objetivos de curto, médio e longo prazo. Misturar metas que eu sei que vão ser complicadas de atingir em um ano (por motivos financeiros, melhores planejamentos etc) com outras que sei que consigo. Se eu tiver mais senso e projetar o tempo que preciso pra atingir cada coisa que quero pro próximo ano e desmembrar as grande metas em etapas menores, pode ser mais possível realizá-las.

- Não organizar meu tempo.
Quero fazer muita coisa ao mesmo tempo. Minha mente não para e cada hora quero um trem diferente, projetos diferentes. Quando começo, tenho um pique enorme, só que vou perdendo ele no caminho, provavelmente por falta de planejamento. Ou eu fico muito atribulada, ou vou deixando de lado. E aí não consigo finalizar nenhum dos vários projetos por não organizar meu tempo.

- Resistir.
Aceitar o que não pode ser mudado e que algumas coisas mudam. Aceitar que algumas coisas não dependem só de mim e que é uma via de mão dupla. Aceitar que o fato de eu ter mudado, não muda outras pessoas. Resistir a isso tudo me trouxe muita frustração no ano que passou e aceitar isso pode me ajudar a ser e ficar melhor com as coisas e pessoas ao meu redor.

- Deixar a essência de lado.
Por n motivos, tenho me visto cada vez mais externa do que interna. Algumas das coisas que mais me orgulho de ter conseguido na vida foi justamente por focar na minha essência, no meu interior. Buscar quem eu sou sempre me deu forças pra alcançar o que quero e isso foi deixado um pouco de lado nesse último ano. Que em 2018 eu consiga deixar a essência bem evidente e que seja combustível pra mim, como sempre foi.

E você? Quais são suas não-metas?

Beijas e feliz 2018!