vinte e oito

Tem uma música da Legião Urbana que chama Vinte e Nove - mas vou adaptar pra Vinte e Oito:
"Perdi vinte em vinte e oito amizades
Por conta de uma pedra em minhas mãos
Me embriaguei morrendo vinte e oito vezes
Estou aprendendo a viver sem você
Já que você não me quer mais.
Passei vinte e oito meses num navio
E vinte e oito dias na prisão
E aos vinte e oito com o retorno de Saturno
Decidi começar a viver
Quando você deixou de me amar
Aprendi a perdoar
E a pedir perdão.
E vinte e oito anjos me saudaram
E tive vinte e oito amigos outra vez."

E o engraçado é que, apesar da letra intensa, essa música tem uma batida boa, tranquila e, por que não, feliz. Afinal, felicidade está dentro da gente e o que tá dentro é construído com as vivências todas da vida, boas e ruins.
Não, não dava pra esperar meus vinte e nove pra compartilhar essa música com essa letra. Esse ano que passou foi isso. Esse meu novo ano é isso.

É a questão de perder pra ganhar.
É a questão das provações, dos aprendizados e de se abrir pro novo. 
É sobre decidir começar a viver, sem se preocupar com o que ficou pra trás, com quem não quis acompanhar. 
É perceber que o novo sempre vem; o novo e o bom. 
É sobre aprender a se aceitar, a se perdoar, a se amar. 
É de entender que não dá pra mudar pessoas e coisas, mas dá pra se mudar e que tudo começa é aí. 
É quando a gente "morre" várias e várias vezes, mas não desiste da felicidade, de viver, de querer ter paz na alma. 
É terminar ciclos e se abrir pra novos.
É recomeçar sempre que necessário. 
É se permitir sofrer, se permitir sentir, mas não desistir de viver e saber que amanhã é um novo dia. 
É sobre seguir em frente, com o coração pulsando forte, com as borboletas na barriga, com a esperança e desejo de coisas boas e melhores.
É ter gratidão por todas as experiências que te fizeram ser quem é hoje.
É saber que, sério, uma hora ou outra os anjos te saúdam e as coisas se ajeitam. Você (re)conhece novos amigos, novos amores, novas vidas, novos gostos. O que não acrescenta a vida simplesmente vai, uma hora ou outra. Você cresce e floresce, se renova e a felicidade simplesmente vem.

Sobre meus vinte e oito anos, sobre meu ano novo, vou parafrasear Anton Ego:
"Surpreenda-me"

Beijas!