Dia dos Namorados, Filme, Pipoca, Chocolate e Brigitte

Depois do post de dia dos namorados, acho que deveria falar algo pra quem vai passar esse dia na solteirice e tá sem ideias do que fazer. É interessante como nesse dia a gente fica, sim, mais carente e mais pensativa. A questão da carência é ok, entendível - o ser humano É carente. Mas o pensar complica. Não existe um botãozinho de ligar e desligar e nem outro que regula o tipo de pensamento. E aí as ideias fluem. No meu caso tem fluído cada dia mais e ao se aproximar dessa data, tenho cada dia mais certeza que o dia dos namorados devia ser algo seu com você mesma.
Uma amiga me falou que iria casar. Pela terceira vez. Dessa vez porque o cara era interessante. Perguntei, na minha ingenuidade: "Você vai casar porque o cara é interessante e não o amor da sua vida?". Ela logo me respondeu, sabiamente: "Amiga, eu sou o amor da minha vida". Tapa na cara. Desde então tenho pensado nisso constantemente. Pra algumas pessoas, é algo tão simples e para outras é algo extremamente complexo - como disse, o ser humano é carente. Alguns mais, alguns menos, mas a questão é: a gente tem que ser o amor da nossa vida. Então, nada mais certo do que nesse dia nos mimarmos, não é? Se dê um presente, aquele que você quer. Faça algo que você goste: cinema, filme em casa. Esteja com quem você ama e SABE que esse amor vai durar pra sempre: amigas, mãe, cachorro. Ou então tire esse dia pra você. Desligue o celular, sai de whatsapp e redes sociais por um dia, fique off e vá passear, curtir um parque que você queira conhecer, faça algo que sempre quis fazer e nunca teve coragem. Tenha "um dia de princesa", cabelo, unha, mude o corte, escolha uma cor diferente, ouse! Quem sabe um dia de spa? Uma massagem relaxante, algo mais calmo. Seja o amor da sua vida e SE mime, se ame, se goste. Faça o que te faz feliz.

Não tô dizendo pra você ficar sozinha e ser feliz assim, pronto, acabou. Eu não tenho muito problema em aproveitar as coisas sozinha. Gosto de ir ao cinema sozinha, gosto de sair pra comer sozinha, já quase viajei sozinha, mas tive um imprevisto de última hora na época. Se você não se sente confortável pra isso, chame alguém que você goste. Mãe, prima, tia, madrinha, primo, irmão, não interessa quem, sendo alguém que você gosta de estar ao lado. Ou então faça uma noite do pijama com amigas e vinhos, será gargalhada na certa. 
Amor de namorado não nos preenche, não nos completa, ele acrescenta - na teoria. Ninguém nasceu namorando, então não tem porque não conseguir viver sem isso. Mas outros amores, sim. Aliás, queria minha mãe pra ficar grudada nesse momento.

Então, passarei assim, agarradinha com meu amor, Brigitte, já que mamis está longe. Sem sofrência, sem tristezas e sem pesares. Dia dos namorados - por incrível que pareça - é um dia de amor e nada melhor do que passar com quem se ama e está ao seu lado.