A Semana do Julgamento

E essa semana foi regada à julgamentos. E te digo, isto é triste. Tô há algum tempo sem inspiração para escrever, mas hoje veio um insight da forma mais inesperada possível: Scarlett Johansson foi chamada de gorda.

Lendo um dos meus blogs preferidos vi um look lindo usado pela blogueira, mas que dividia opiniões: um short curtinho de couro ecológico, uma camisa e uma botinha de cano curto. Coisa que raramente faço, resolvi ler os comentários sobre o tal look e um deles vinha de uma pessoa um tanto comum no mundo da blogosfera: hater. Haters são seres mal amados que usam o escudo (covardia e “segurança”) da internet pra falar coisas desnecessárias de forma a minimizar alguém e, de algum modo, deixá-la bem consigo mesma por ser melhor (em sua concepção) em alguma coisa. Enfim, no comentário desnecessário, a hater falava que não havia entendido o porquê da meia branca (referindo-se à perna da blogueira), depois colocou “brincadeira!” no meio e finalizou falando que adorou o look. Lindamente, a blogueira respondeu falando o quão desnecessário era o comentário e, devido à brincadeiras assim que muitas meninas passavam a adolescência toda usando calça comprida. Isso me remeteu há um tempo atrás, ainda na escola, ainda me descobrindo, quando entrava na piscina de bermuda (sim, bermuda!), pois era chamada de zebra por ter muitas estrias. Me peguei pensando também: qual o motivo que leva uma pessoa a perder seu tempo pra fazer esse tipo de “brincadeira”? Quem inventou a maldita regra que pessoas com pernas branquinhas não podem usar roupas curtas ou pessoas com estrias não podem usar biquínis? 

Logo após vi uma reportagem falando da Gigi Bündchen e seu videoclipe (em que ela aparece de biquíni) cantando uma música do Blondie (todo dinheiro arrecadado na venda da música no iTunes será direcionado à UNICEF). Fui eu ler os comentários: “Nossa, não sei pra quê tanta magreza!”, “Ah não, mulher magra assim é feio demais”, “Essa aí, até se peidar o povo aplaude”. Aí mais uma vez pensei comigo: “Cara, a mulher tá ali dando a cara à tapa por uma boa ação e tem gente que perde o tempo sentado com a bunda na cadeira pra falar quão magra ela está?”. Gente aliás, que se mata em dietas pra tentar ficar magra. Ou gente que se aceita como é e tá mais que certa, mas não aceita a magreza da outra pessoa. Não tô aqui defendendo a ditadura da beleza, de forma alguma! Tô defendendo o direito de alguém ter o corpo que bem entender e ser vista por seus atos.


Aí acontece que a Lupita Nyong'o foi eleita a mulher mais bonita do mundo. Comentários? “Ok, o ano é dela, mas aí já é apelar demais”, “Tem gente bem mais bonita que ela”. Concordo. Tem mulheres na lista bem mais bonitas que a Lupita e cada um tem seu gosto pra beleza. Mas, creio eu, que o título de “Mulher mais bonita do mundo” não diz respeito a isso. Creio que seja um conjunto e quem perdeu seu tempo falando que Lupita não mereceu  o título, foi infeliz na vida. Não, Lupita não foi escolhida por ser negra e a revista queria mostrar ao mundo que não tem preconceito nesse quesito. Preconceito, aliás, são os comentaristas de tal fato não conseguirem ver até hoje que beleza está muito além de um rosto perfeito. Lupita se veste bem, se comporta bem, tem sido ótima no que faz, tem tido sucesso em vários aspectos e em qualquer site – não só de moda – que você entre e jogue “Lupita” nas buscas, vai receber uma enxurrada de informações. E informações boas. Ser a mulher mais bonita do mundo é uma junção de fatores e não uma disputa de quem tem o rosto mais simétrico, pois se fosse assim, Gigi estaria lá na capa todo ano (olá, aulas de Evolução).


Finalizando, a gota d’água foi ler uma reportagem falando que Scarlett Johansson – que aparece nua em seu próximo filme (Under the Skin) – está acima do peso. Em 2013, elegeram-na a mulher mais sexy do mundo (alô, ironia!). Seu trabalho é atuar, coisa que faz bem. E, creio que seu corpo nu seja secundário ao sucesso do filme, à bilheteria, às críticas. O que deve ser levado em conta aqui é seu trabalho e não como encontra-se o seu corpo durante sua atuação. 


Não tô aqui julgando preferências, mas é de se pensar que, às vezes, a mesma pessoa que acha Gigi muito magra no biquíni, achou Scarlett muito gorda pra aparecer nua em um filme. A mesma pessoa que acha que Lupita é feia e não merece ser a mulher mais bonita do mundo, nunca está feliz com sua própria aparência. A mesma pessoa que "brincava" com a outra por sempre vestir "meias brancas" precisa rebaixar alguém pra se sentir superior em sua falsa grandeza, pois nunca está bem consigo mesma. 

Sempre falo que ao escrever algo para enviar a alguém, você tem a oportunidade de ler, reler, ler mais uma vez e então mandar. Me choca o fato de alguns tirarem um tempo da sua preciosa vida para atacar, "brincar" ou ver apenas um lado da moeda. Ok, cada um tem sua opinião, suas preferências, seus gostos e não é isso que está sendo discutido aqui.  Os bons modos da vida real, também deveriam valer no mundo virtual. Duvido muito que, cara a cara,  alguém teria coragem de falar com a Gisele que ela tá magra demais ou que a Scarlett tá precisando perder uns quilinhos.