sobre Away, da Netflix



Fim de semana resolvi fuçar a Netflix pra ver se tinha algo interessante para assistir e me deparei com a série Away. Tudo relacionado ao espaço eu amo - do trash ao cult - e a premissa da série me conquistou de primeira, além de um elenco com carinhas conhecidas como Hilary Swank e Josh Charles. Away é sobre uma expedição rumo à Marte liderada pela astronauta Emma Green, interpretada por Swank.

Ainda impactada por séries e filmes assistidos recentemente, como Ad Astra e Perdidos no Espaço, me acostumei com a ideia de séries assim serem mais distantes da realidade - e até da humanidade. Digo humanidade porque a maioria sempre aborda o lado heroico e sonhador do astronauta ("do" por grande parte dos personagens serem representados por homens) rumo ao espaço, rumo ao desconhecido, rumo ao sonho solitário e único de desbravar outros mundos. Away vai por um outro lado, mostrando as relações emocionais e físicas com quem fica. Mostrando a construção do sonho de cada astronauta na Atlas (nave que é enviada à Marte), mostrando como os sonhos são construídos e readaptáveis.


Um outro ponto interessante da série é a personagem de Swank, Emma Green, que mexeu muito comigo.  O mundo faz com que muitas mulheres precisem escolher entre um ou outro - não por se acharem incapazes de ambos, mas por existir uma cobrança muito maior da sociedade. Ou você não é boa o suficiente por não "escolher" estar com sua família ou você não é boa o suficiente por não "se dedicar" ao trabalho. Emma mostra essa briga interna, esses questionamentos, essa responsabilidade dobrada em seus ombros. Mostra a construção  de um sonho e a necessidade de encontrar outros caminhos para chegar até ele com a vinda da maternidade. Mostra como a maternidade foi capaz de criar um outro olhar para as coisas, uma garra ainda maior de continuar perseguindo seus sonhos. Ela escolheu ser mãe e astronauta - com todos os sentimentos que poderiam vir dessa decisão.

Além disso, como boa estudante de Relações Internacionais, muito me alegrou ver a cooperação internacional para a concretização da expedição - não apenas vista entre os países representantes, mas principalmente entre os astronautas. Um misto de culturas, credos, pensamentos que se complementam e influenciam fortemente em toda a viagem e decisões tomadas.


Away é uma série disponível na Netflix e tem 10 episódios que te fazem pensar e se emocionar. Se reconhecer nos personagens e suas lutas. Entender sobre confiança e escolhas. Vale cada minuto.

Leia mais

7 dicas pra colocar em prática hoje, agora, já

Vamos todos viver bem? Então vamos.

1. Não se arrependa do que te fez sorrir. Tenho essa frase como mantra. Se um sorvete de flocos te faz sorrir e depois alguém te fala que sorvete de flocos não é legal, não tem por que se arrepender de ter comido o sorvete de flocos, entende? Se te fez bem naquele momento é o que importa. Ficar se torturando porque VOCÊ não gosta mais de sorvete de flocos hoje não é saudável. Se não gosta mais, apenas siga em frente. Existem outros sorvetes na vida.

2. Veja as pessoas como bebês ou velhinhos. Li isso uma vez em algum lugar e achei interessante. Pensei em alguém que me fez raiva ou o santo não batia. E fiquei chocada. Funciona. Olhar de outra forma alguém que te traz sentimentos ruins não serve pra esquecer as coisas, relevar. Serve pra ver que todos nós fomos e seremos frágeis um dia e isso ameniza essa energia ruim - que faz mal só pra gente mesmo.

3. Mantenha-se em movimento. Corpo e mente. Leia um livro. Medite. Alongue seu corpo. Faça uns polichinelos no meio do dia. Brinque com @s cachorr@s. Saia para comprar pão - e compre o seu picolé preferido ao invés do pão.

4. As coisas acabam. Tá na hora de aceitar isso, parar de insistir em situações que machucam e decepcionam. Dê espaço para o novo: amizades, amores, projetos, sonhos, roupas, calçados, não importa. Tire da sua vida o que te trava o riso. O tempo aqui é tão curto que merece ser compartilhado com reciprocidade e sabedoria. Merece o esforço num trabalho que nos gratifique de forma intensa (não só financeiramente, mas principalmente na alma). Merece que o abraço seja dado a quem quer ser abraçado. Merece que os sorrisos sejam verdadeiros e não por educação. O fim é também um começo.

5. Seja intenso. Não tenha medo de quebrar a cara, de errar, de se machucar. Não seja pela metade, seja inteiro. Não dê às pessoas apenas uma parte de você, se dê por inteiro. Ou não se dê. Saiba apreciar as coisas mais básicas. Saiba sentir - e aceitar e entender - o que você está sentindo, seja amor, dor, alegria, surpresa. Mas sinta de forma intensa. Ninguém é feliz sendo morno.

6. Fale coisas positivas, boas e construtivas. Às vezes ouvir o que a gente já sabe é bom. Fale que ama, que sente falta, que a roupa está bonita, que o corte está bacana, que o cinema foi legal. Fale. É bom ouvir. Mas fale apenas o que vai ser construtivo e não o que vem à sua mente. Fale o que vai deixar o outro bem. Não fale as coisas da boca pra fora. Fale de coração, fale com a alma.

7. O sentimento que você dá deve ser o sentimento que você recebe. Senão é isso que rola, fuja. Reciprocidade é lindo. Não se prenda ao tempo, laços familiares, experiências vividas. Nada disso vale a pena se não existe reciprocidade. Numa relação unilateral você é o único que sente e o único que se machuca. Ninguém compensa isso. 

Beijas!
Leia mais

sobre Sapiens: Uma breve história da humanidade

Demorei a escrever essa resenha porque ainda estava absorvendo Sapiens: Uma breve história da humanidade, de Yuval Harari. Depois de um longo caminho explicando e desexplicando a história da humanidade, o autor termina o livro com uma singularidade interessante (e aqui permito fazer um trocadilho com um assunto abordado na obra): a busca pela felicidade.

                            "O Homo sapiens evoluiu para achar que as pessoas se dividiam entre 'nós' e 
                            'eles'. 'Nós' era o grupo imediatamente à sua volta, independentemente quem
                            você fosse, e 'eles' eram todos os outros. Na verdade, nenhum animal social 
                            jamais é guiado pelos interesses de toda espécie à qual pertence." (p. 179)

Da sociabilidade, surgiu a dicotomia que permitiu ao homem dividir o mundo em dois: amigo e inimigo, bom e mau, certo e errado. Permitiu criar laços, estabelecer coooperações, alavancar guerras. Possibilitou o surgimento e atrelamento de normas e valores humanos com crença sobre-humanas, ou seja, as religiões. Permitiu o surgimento de instituições e culturas completamente heterogêneas.

                            "As plantas domesticaram o Homo sapiens, e não o contrário." (p. 90)

Através de um storytelling bem escrito, Harari mescla a história permitindo que o sapiens de hoje, no mundo globalizado, possa compreender minimamente o que se passava na cabeça de seus ancestrais há milhões de anos atrás. Através de uma análise estrutural e cuidadosa, desconstroi fantasias criadas para nossa história ser uma superação didática e constroi, de maneira graciosa, o resgate da realidade da humanidade, com todas suas conquistas e decadências.


O livro tem algo que eu amo e que eu uso em minha vida constantemente - principalmente por estar inserida em um ambiente acadêmico: conexões, ligações e porquês numa linguagem de fácil compreensão. Ele responde a inúmeras indagações conectando histórias, acontecimentos e comportamentos. Explica o motivo que deixamos de ser caçadores-coletores e de que forma isso está conectado com a ascenção do capitalismo; mostra, de maneira surpreendente, como o imperialismo e a ciência evoluíram juntos, coisa que aprendemos separadamente na escola sem nunca perceber como são peças do mesmo quebra-cabeças.

Sapiens começa falando sobre a Revolução Cognitiva, o surgimento da ideia de existência e pertencimento e finaliza com uma explicação filosófica e científica sobre felicidade - o que permite compreender toda a evolução da nossa espécie, as buscas, os quereres, os desejos. Através de ciclos, o livro permite entender a busca pela felicidade, mesmo que a vejamos de maneiras diferentes conforme nosso olhar e experiência de mundo; possibilita que o leitor possa se surpreender, se chocar e se inspirar a querer ser um sapiens melhor no presente.
Leia mais

4 Formas de Usar Moletom

Inverno chegando, já ouço vozes cantando "let it goooo" e já sinto o frio aqui do 16º andar onde se encontra minha casinha. Eu amo frio e amo me vestir no frio. Já falei disso algumas vezes no instagram do DPD, que costumo sempre me arrumar pra trabalhar em casa e isso me ajuda na produtividade e humor. Nessa quarentena, com dias de luta e dias de glória, tenho prezado muito por conforto, ainda mais pra ficar em casa (se puder, #FicaEmCasa) e trabalhar quentinha e afastar a vontade de ficar de pijama, enrolada no edredom o dia todo. Daí entra a aquela peça que algumas pessoas acham que serve pra dormir, outras acreditam que cria um aspecto meio displicente ou então que a gente cresceu com a ideia de que é uma roupa de "ficar em casa", ou seja, não tem como ficar mais arrumadinha com essa veste: o polêmico moletom!

Pra você tirar isso de cabeça e olhar pro moletom - essa peça tão subjulgada no seu guarda-roupa que você só usa pra ir na padaria comprar pão, pra dormir ou pra ficar jogada no sofá - de forma diferente, separei uma coleção de looks inspiradores pra você que, assim como eu, adora se empacotar toda no frio, mantendo o estilo e o conforto que a vida exige nesse período.

Moletom & Social
Amo essa brincadeira de de informalidade e formalidade nas roupas. Quebra o visual sério demais e traz criatividade e conforto pro dia a dia. Juntar uma peça mais social com o moletom cumpre bem esse papel, deixando o look semi-formal e ótima opção pra home office, inclusive! 

Look com calça moletom azul, blusa branca, blazer estampado e chapéu.

Kendal Jenner veste calça moletom preta, blusa no mesmo tom, sapato com brilhos.e blazer longo branco.

 Look com calça moletom cinza escuro, blusa preta, blazer azul marinho, bolsa de mão de plumas e sapato nude.


Sobreposição
Sobreposição é criatividade! Amo essa montoeira de roupas, estampas, cores. Deixa o look super descolado, original e alegre. Levanta qualquer visual e dá aquela pitada de autenticidade.





Acessórios
"Ah, meu moletom é muito basiquinho". Então abuse dos acessórios! Coloca um maxi-colar, lenço ou echarpe. Se joga nos acessórios que eles são poderosos aliados pra um look que tinha tudo pra ser comum.


Look com calça moletom cinza, tênis all star , camiseta branca, casaco preto e cachecol na mesma cor.





Bordado
O bordado deixa qualquer peça de roupa mais singular. Transmite romantismo e, dependendo do bordado, elegância. É uma peça que por si só já chama atenção, unindo conforto e sofisticação.






Beijas!
Leia mais

o que é um Personal Stylist e um Personal Shopper?

Quantas vezes você já ficou horas rodando no shopping igual uma barata tonta e não encontrou nada "pra você"? Quantas vezes já comprou aquela roupa que estava linda no manequim e sempre ficou no guarda-roupa porque não conseguia combinar nada com ela? Quantas vezes gastou em liquidações e promoções da vida, mas quando chegou em casa não entendeu o porquê de ter comprado aquele colete roxo?  Ou então, quantas vezes gastou rios de dinheiro num sapato que comprou porque era tendência, mas depois viu que simplesmente não tinha nada a ver com você?
Quem nunca, né? Comprar sem um norte pode prejudica não só seu guarda-roupa, mas também seu bolso. Antigamente, comprava 3 camisetas de cores diferentes PORQUE-TAVA-MUITO-BARATO-E-EU-PRECISAVA e hoje me policio mais e aprendi a comprar! E é aqui que entra o serviço de Personal Stylist e Personal Shopper, que funciona como um anjinho ali, no ombro, te ajudando a economizar dinheiro, tempo e a comprar de forma inteligente. 

O Personal Stylist te ajuda a se vestir adequadamente de acordo com seu objetivo e com o que te beneficia, analisando a sua morfologia corporal, estilo pessoal e estilo de vida. O Personal Shopper te auxilia nas compras, com o objetivo de encontrar a roupa certa unindo o que você precisa ao que você quer, seguindo algumas pesquisas anteriores:

1. Saber o que falta em seu guarda-roupas (vários looks serão montados com o que você já tem, pois às vezes temos apenas dificuldade na montagem de looks ou falta só aquela peça curinga!)
2. Fazer um plano de compras, caso necessári0
3. Saber a sua realidade financeira, ouvir e selecionar o que é importante pra você
4. Saber o custo-benefício das peças compradas (de que adianta comprar diversas camisetas baratinhas se elas não vão durar duas lavagens?)

Mas por que contratar um profissional pra isso? Simples! Economia de tempo e dinheiro, pois desperdiçar grana nas peças erradas vai contar lá na frente. E digo por experiência própria, olha só:

As camisetinhas que eu falei que costumava comprar! Adoro camisetas lisas, sem estampa. São fáceis de combinar nos looks e super curingas. Toda vez eu ia ao Shopping comprava duas de mais ou menos 25 reais cada e elas duravam (entenda durabilidade aqui como qualidade mesmo, da peça estar apresentável e não com um ar displicente) uns dois meses, pois usava-as para trabalhar ou situações mais informais - ir tomar um açaí, por exemplo. E olha que algumas eu nem lavava na máquina e mesmo assim ainda ficavam feias depois. Faça as contas para um ano de camisetinhas: 2x25 = 50 reais por mês, 50 X 12 = 600,00. E nisso tô tirando o fato de já ter peças no meu guarda-roupa que nem lembrava e que poderia usar também pra ir tomar um açaí ou trabalhar. Poderia ter economizado 600,00 no ano. Compensa ou não? ;)

Na Consultoria de Imagem trabalho um método que alia os serviços de Personal Stylist e Personal Shopper como resultado da nova identidade visual d@ cliente, considerando sua análise de coloração, morfologia e vida pessoal/ profissional/ financeira. Quer saber mais? No vídeo abaixo te dou 5 motivos do porquê investir numa consultoria! 

Leia mais

3 dicas de como usar mix de estampas

Já vamos começar com uma ideia na cabeça: misturar estampas não é coisa aleatória, não é barango e existe, SIM, uma fórmula pra quem gosta e não sabe como usar - então, ME ACOMPANHA QUE VOU TE ENSINAR.

Resolvi fazer um post sobre mistura de estampas (conhecido também pelo termo mix & match) e conto o porquê. Sempre gostei de um construir um look mais atípico, diferente, que transmitisse minha personalidade e acabei encontrando isso ao mesclar uma estampa com outra. Enquanto alguns não se identificam com esse tipo de look (e tá tudo bem, vai de cada um!), outros acham super fashion, mas não usariam por não saber combinar e/ou insegurança. 

Truques
A mistura de estampas traz versatilidade e criatividade para o look, transmitindo uma imagem de segurança no uso e combinação de cores e formas. Pessoas que optam por esse tipo de look exalam imaginação, inovação e originalidade. Se identificou? Então bora clarear essa dúvida de como se vestir bem ao misturar estampas usando algumas estratégias que são certeiras na combinação!

  • Misturar estampas fechadas (com as listras mais juntinhas, flores mais juntinhas ou pequenas, estampa de onça) e próximas com estampas mais abertas (flores mais separadas, listras mais separadas, bolinhas mais espaçadas).

  • Acessórios com estampas que contrastam com o look são ótimas opções pra quem ainda não se sente seguro em investir num mix de estampas total.

  • Cores na mesma paleta é o truque mestre pra quem não sabe como começar a misturar estampas! Além de não pesar tanto o look, é uma maneira mais sutil e praticamente sem erro para apostar nas combinações.
E aí, usaria algum dos truques? Beijas!
Leia mais

sobre a vida a dois: aprendizados, desafios e amor

A vida a dois é descobertas. E eu tenho aprendido com isso. Aprendido a ter paciência e compreensão com o tempo dele, com a individualidade - e aprendido a me entender em relação a isso. É descobrir que não existe sempre uma forma certa de fazer as coisas, mas formas diferentes pra se chegar no mesmo resultado. É (re)descobrir o amor.

A vida a dois é curiosa. Esses dias a gente deu crise de riso porque uma azeitona pulou da panela na hora que eu servia o almoço. Enquanto eu tentava pegar, mais ía empurrando a azeitona e mais ela sujava o fogão - que eu tinha limpado antes. Aquilo fez a gente rir simplesmente por ser uma cena ridícula - o que pode ter sido intensificada por estarmos em quarentena e em casa (inclusive, se puder, #FicaEmCasa).

A vida a dois é sintonia. A cada dia, a cada hora, a cada olhar, a compreensão do outro aumenta. A gente passa a ouvir e ler a alma e não apenas o corpo. É perceber o outro na voz, nos gestos e nas palavras. É saber se comunicar além do "normal".

A vida a dois é desafios. É saber entender como funciona o dinheiro numa casa; é entender e respeitar o gosto pessoal de cada um; é fazer da vida um jogo gostoso de jogar - mesmo com vários obsetáculos durante o processo. 

A vida a dois é olhar o mesmo rosto todo dia e procurar por algo novo: um olhar diferente, um riso, um cabelo branco, uma expressão. É reconhecer as mudanças diárias e se apaixonar por elas. É se apaixonar todo dia pela mesma pessoa. 

A vida a dois é intensa - mas é uma intensidade rotineira que precisa ser revista, reavaliada, reinventada. É muito fácil se acomodar na falta de beijos, normalizar o que precisa ser constantemente relembrado. Aqui resolvemos fazer um jogo: toda vez que o vizinho liga o xbox (faz um barulhinho bem específico), a gente tem que parar o que tá fazendo pra se beijar - de língua. 

A vida a dois é suporte. É estar junto - pra muito além de dia dos namorados, aniversários, festas - é estar ao lado, é saber a hora de dar a mão e guiar e a hora de ser guiada. É acreditar juntos nos sonhos individuais. É batalhar por uma batalha que não é sua, mas que vai tirar um sorriso de realização de quem você ama. É estar feliz por uma conquista que é só do outro.

A vida a dois é respeito. É respeitar as diferenças e focar sempre, o tempo todo nas semelhanças. É agradecer, é reconhecer, é apoiar. É saber que vocês não se completam e não se tornam uma pessoa só, mas que são dois seres com repertórios diferentes que se complementam, se repelem, se estranham, se juntam lado a lado numa dança que muda constantemente de ritmo. 

A vida a dois é ver graça nas coisas mais simples e dissertar sobre. "Nossa, você viu o que o gato fez?" "Vi não, o quê???" "Derrubou o batom e deitou no meu colo" "hahahahahhaha mentira!". É fazer a graça ser contagiante, rir juntos, sentir juntos.

A vida a dois é crescimento. É crescer na curiosidade diária, nas (re)descobertas constantes,  na sintonia da vida, nos desafios superados, ao enxergar o outro, na intensidade da rotina, na construção de pilares, no respeito da diferenças, na alegria de estarem juntos.
Leia mais

guia prático para uma compra consciente

É muito louco como a gente vai ficando mais velha experiente na vida e vai tendo mais respeito pelo nosso dinheiro. Pensa duas, três, quatro vezes com o que gastar, quando gastar, como gastar. Junta, investe, refaz as contas pra ver se pode comprar algo que quer muito ou se dá pra esperar mais um pouquinho - ou se de fato você realmente precisa daquilo naquele momento.

Desde que comecei a entender que meu dinheiro trabalhava pra mim e não o contrário, tenho utilizados algumas maneiras de gastar com mais consciência. Pra isso procurei vídeos, cursos e formas de economizar na hora das compras. Com a quarentena (lembrando, se puder, #FicaEmCasa) e aumento de alguns gastos, isso ficou mais evidente e necessário e, pensando nisso, resolvi deixar algumas dicas do que costumo fazer na hora de comprar algo.

Pensar e repensar
Eu sempre converso comigo mesma sobre o que quero comprar e a forma que pretendo gastar meu dinheiro. Preciso disso agora? Como vai acrescentar minha vida nesse momento? O quanto vou usar?  Por exemplo, se quero muito comprar uma peça de roupa, penso no quanto ela será útil no momento, se vou utilizá-la bastante (ainda mais se estiver em quarentena), se vai ficar encostada, se tenho outras peças de roupa pra combinar com ela. As respostas destas perguntas acabam me direcionando pra viabilidade da compra: se quero, se devo, se posso ou se é só um impulso.

Destinar meu dinheiro
Desde que organizei meu dinheiro organizando o quanto eu poderia gastar para gastos aleatórios e já separando os gastos fixos, consegui entender melhor pra onde o dinheiro ía. Isso valia tanto no quanto eu teria disponível no cartão de crédito, no quanto eu teria disponível pra entretenimento ou pra algum gasto aleatório. Essa reserve ajuda muito na hora das compras, evitando um futuro endividamento e bola de neve.

Compras online
Desde que o dinheiro ficou um pouco mais apertado aprendi a comprar online e acabei pegando gosto. Primeiro, porque financeiramente compensa mais e os produtos são realmente mais baratos do que comprar in loco. Segundo, você tem muito mais opções para garimpar numa enorme disponibilidade de lojas. Com o tempo, fui criando algumas estratégias para efetuar minhas compras:

Confiabilidade
Buscar pelo selo Ebit nos sites pode te ajudar a ter mais confiança nas compras. O Ebit,  analisa os pontos positivos e negativos de cada e-commerce, medindo sua reputação conforme certificados de medalhas Ouro, Prata, Bronze ou Em avaliação.




Cashback
Há uns dois anos atrás, os cashbacks surgiram como alternativa de ter dinheiro na volta ao efetuar suas compras. Funciona de duas formas: ou você ganha uma porcentagem de dinheiro de volta e transfere pra sua conta bancária direto ou você ganha uma porcentagem de dinheiro de volta que pode usar para compras na mesma loja. As duas formas funcionam pra mim e é uma ótima economia pra quem compra muito online.

Cupons de Desconto
Se tem uma coisa que eu amo e meu bolso sempre agradece são os cupons de descontos! Os e-commerces usam dessa estratégia principalmente pra fidelizar o cliente a comprar com eles uma vez e continuar comprando. Mas como achar esses cupons? Diversos sites ajudam a encontrar, mas o que mais uso é o Cupom Válido.


Lá você encontra uma boa gama de e-commerces parceiros - de supermercados a lojas de maquiagem - com cupons válidos em diversos segmentos: beleza, leitura, calçados, viagens e até desconto para Natura. E não se assuste, porque ao clicar para ver o cupom, abre uma nova página com as letrinhas da economia prontas para serem usadas por você:


Beijas e ótimas compras conscientes!
Leia mais

descubra o que seu estilo diz sobre você

Depois que fiz o curso de consultoria de imagem e estilo, comecei a reparar no look das pessoas tentanto não julgar a forma de se vestir, mas, sim, entender quem ela era pela forma que se vestia. Cada pessoa passa uma informação através da imagem, mesmo que de forma inconsciente. As preferências, cores, cortes e até o estado da roupa transmitem quem a pessoa é - ou pelo menos quem ela se mostra ser. Nesse sentido, a consultoria de imagem entra justamente para atrelar três coisas: quem você é, qual a imagem que você quer passar para o mundo e como se vestir bem dentro dessas informações. 

Para isso, o trabalho é feito tendo como base os estilos universais: esportivo, romântico, dramático, clássico, sofisticado e exótico. Cada estilo transmite uma mensagem específica e conta com estratégias e características próprias, como mostrado a seguir.

Esportivo / Natural
Indicado para áreas que requerem mobilidade, ambientes informais e profissões em que é importante estimular a comunicação interpessoal. Pessoas que se encontram nesse estilo prezam pelo conforto, movimento, praticidade e despretensão - isso se reflete nas roupas, cabelos e acessórios. Utiliza-se de materiais mais naturais, cores não muito contrastates, peças atemporais e de fácil manutenção, calçados confortáveis.

Romântico
Indicado para quem trabalha diretamente com pessoas e segmentos que exijam passar uma imagem mais flexível e acessível. Utiliza-se, para compor este estilo, cores mais claras, materiais como nobuk e veludo, floral, poás, cintura marcada, gravatas borboletas, suspensório, boinas. Pessoas desse estilo demonstram leveza, suavidade e movimento.

Dramático / Moderno
Indicado para pessoas que trabalham com áreas criativas, pois transmite uma imagem firme e impactante. Pode ser combinado com outros estilos e utiliza-se de formas, cores contrastantes, cortes diferenciados, mistura de estampas e materiais. Se você se identifica com esse estilo, provavelmente é criativo, possui uma presença forte e espírito de liderança.

Clássico / Tradicional
Indicado para áreas em que é imporante transmitir segurança, solidez e confiabilidade, demonstrando comprometimento. Utiliza-se de materiais e estampas mais tradicionais, como couro, alfaiataria, animal print, tweed. Pessoas neste estilo se identificam com peças atemporais,  modernidade clássica e passam uma imagem séria e de controle.

Sofisticado / Elegante
Indicado para pessoas que trabalham em posiçoes de prestígio e liderança, transmitindo poder. Se diferencia do estilo Clássico por utilizar-se, muitas vezes, de peças mais contemporâneas, porém com corte e acabamento impecáveis. Uma pessoa elegante transmite em suas vestes uma imagem de autoridade, requinte e comando.


Exótico / Criativo
Assim como o Dramático, também serve para áreas criativas e inovadoras, mas costuma ser mais usado em segmentos relacionados à arte, como cinema, teatro, televisão, música, moda. Cores, estampas, texturas atípicas caracterizam esse estilo. Se você se identificou com este estilo, provavelmente gosta de impactar, mostrar orignalidade e transmitir uma imagem marcante e única.
A consultoria de imagem - que inclui o serviço de personal stylist - adequa o estilo ideal para cada cliente, conforme sua vida social, profissional, objetivo com a consultoria, biótipo. É um trabalho único, completo e extreamente gratificante - para ambos os lados.

E aí, se identificou com algum estilo? Beijas!
Leia mais
Postagens mais antigas Página inicial
"Aprendi com as primaveras a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira." Cecília Meireles

© Copyright de pés descalços